Tipo de câncer mais frequente no Brasil, o câncer de pele pode resultar em mutilações e deformações. Para evitar a doença, siga as orientações dos dermatologistas. Não se esqueça: só saia de casa depois de passar protetor solar!

O câncer de pele será responsável por 31,5% dos 576.580 novos casos de câncer que surgirão no Brasil no ano que vem, de acordo com estimativa do Instituto Nacional de Câncer (Inca). Em 2014, o número de casos de câncer de pele – Aproximadamente 182.000 – deve ser 36% mais alto que em 2013. Para a presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Denise Steiner, um dos fatores que explica o aumento da incidência de câncer de pele é a maior longevidade da população. Segundo ela, “como o efeito do sol é cumulativo e as pessoas estão vivendo mais, elas são expostas durante mais tempo”. Esse efeito também ajuda a explicar a baixa adesão ao uso do protetor solar. “As pessoas não se preocupam tanto porque as consequências só aparecem no longo prazo”, diz Denise.
Embora a medida de prevenção fundamental seja o uso do filtro, a SBD acaba de lançar um documento com recomendações aos brasileiros sobre como utilizá-lo, a que detalhes se deve atentar na hora de escolher o produto, quais as outras medidas de prevenção e quem faz parte do grupo de risco da doença. O primeiro Consenso Brasileiro de Fotoproteção foi produzindo levando em conta as particularidades do Brasil, visto que o país tem alto índice de insolação durante todo o ano.

Vitamina D

O documento também não recomenda que as pessoas tomem sol desprotegidas para estimular a síntese de vitamina D, substância importante para a saúde dos ossos, que é produzida com a participação da radiação solar. Sérgio Schalka, dermatologista coordenador do Consenso, afirma que o período do dia ao qual nos expostos ocasionalmente ao sol, seja num dia ensolarado ou nublado, já é suficiente para nosso corpo sintetizar vitamina D suficiente. “Se uma pessoa de pele clara, por exemplo, expõe o rosto e as mãos ao sol sem protetor durante 5 minutos por dia, seu corpo produz 1000 unidades de vitamina D. É muito mais do que as 400 unidades que precisamos por dia”, concorda Maia.
A seguir, veja quais são as recomendações mais importantes para evitar o câncer de pele.

 

Faz parte do grupo de risco quem…

– Tem histórico de câncer na família.

– Já teve algum tipo de câncer.

– Tem pele, cabelo ou olhos claros.

– Possui muitas sardas ou pintas.

– Já sofreu queimadura solar.

– Trabalha em ambiente fechado e se expõe ao sol aos fins de semana.

Como se prevenir

– Evite a exposição ao sol entre 10h e 15h.

– Se você mora na região Nordeste, onde a incidência de sol é maior, evite a exposição entre 9h e 15h.

– Se você mora na região Centro-Oeste ou em estados onde há horário de verão, não tome sol entre 10h e 16h.

– Empregue a regra da sombra: só se exponha ao sol se sua sombra for maior que o seu tamanho.

– Use proteção mecânica: roupas, chapéus, óculos de sol, guarda-sóis, etc.

– No mínimo 15 minutos antes da exposição, passe filtro solar com proteção mínima de FPS 30 e com proteção contra UVA (ultravioleta). Reaplique a cada 2 horas ou após banhos de mar ou de piscina.

– Crianças menores de seis meses não devem tomar sol. Se não for possível evitar, elas devem abusar da proteção mecânica e de protetor solar.

 

Fonte: www.mdemulher.abril.com.br