Aprenda a fazer um auto-exame só de olhar para as mãos. Manchas, descamações, mudança de cor e alterações no formato das unhas são pistas para inúmeros males – de uma simples micose até doenças cardíacas.

Qualquer alteração patológica nas unhas deve ser observada com rigor, pois sinalizam desde falta de nutrientes, estresse e micoses até problemas mais sérios, como cirrose hepática, insuficiência renal e endocardite (a inflamação do revestimento interior do coração, geralmente provocada por bactérias).

Fique atento às mudanças na coloração, forma e textura das suas unhas:

Manchas esbranquiçadas: Anemia, carência de zinco e proteínas, dermatites de contato (alergias a esmaltes, sabões, detergentes…), psoríase, micoses, intoxicação por metais pesados, insuficiência renal.

Arroxeadas: Micoses, tumores, uso de remédios coagulantes, males cardíacos, lupus eritematoso.

Esverdeadas ou com inchaços, vermelhidão e dor que se expande ao redor dos dedos: Infecções bacterianas e micoses.

Metade branca, metade avermelhada: Problemas renais.

Faixas negras: Disfunções hormonais, micoses, tumores na matriz ungueal, câncer de pele (melanoma).

Metade branca, metade avermelhada: Problemas renais.

Fracas, secas, quebradiças, com tendência à descamação: Falta de cálcio, além de zinco e vitaminas A, B e E, nutrientes que constituem a unha. Anemia, hipotireoidismo.

Amarelada, espessa e sem crescimento: Distúrbios pulmonares.

Ondulações, que, no caso das mulheres, ficam aparentes mesmo com duas camadas de esmalte: Geralmente indicam traumas (a espátula de empurrar cutícula é usada com força). E ainda: anemia e doença cardíaca ou pulmonar.